Hidrômetro

Conhecido como relógio o hidrômetro é o equipamento que faz a apuração do consumo. A água chega da tubulação, entra no cavalete, passa por dentro do medidor e chega ao encanamento do imóvel. O contador marca o quanto de água passa e registra o volume gasto.

Existem dois tipos de hidrômetros: o de ponteiros e o digital.

 

Como fazer a leitura

Para ler o hidrômetro de ponteiros deve-se anotar os números indicados em preto dos círculos menores. Em sentido horário inicia-se pela unidade x1, depois a dezena x 10 até o último ponteiro x 1000.

Já no equipamento digital, basta anotar os algarismos pretos. Para calcular o consumo mensal basta registrar o valor que aparece no hidrômetro e reduzir da leitura do mês anterior.

Para calcular o consumo basta anotar a última leitura menos a leitura do mês anterior. Digamos que a atual tenha sido de 1.782 e a anterior de 1.752, o consumo foi de 30 metros cúbicos ou 30 mil litros de água.

Fazendo o controle mensalmente é possível economizar água e descobrir se existem problemas de vazamentos ou desperdícios.

É muito importante conservar o hidrômetro e facilitar o acesso para que o técnico realize as leituras mensais.

Entenda as Tarifas:

A Sabesp não cobra pela água em si, pois se trata de um bem público. Ela cobra pelos serviços de tratamento e distribuição da água, e pela coleta dos esgotos.

A política de tarifas é regida pelo Decreto 41.446/96 que dispõe sobre o regulamento do sistema tarifário dos serviços prestados pela Sabesp. Para a cobrança são levados em consideração diversos fatores como custos dos serviços, previsão para devedores, amortização das despesas, condições ambientais e climáticas, quantidade consumida, categorias e condição econômica do usuário. A intenção é associar a viabilidade econômica aos aspectos sociais dos serviços de saneamento.

Para cada casa ou apartamento de uso residencial há o registro de uma unidade consumidora, também chamada de economia. Para o comércio, indústria e pública há o registro de uma ligação. Através dos hidrômetros instalados, faz-se a leitura e a emissão da conta d’água e o registro do volume gasto.

O valor cobrado é sempre progressivo. Existe um consumo mínimo padrão de 10 m3 ou 10 mil litros de água com um valor fixo. A partir daí, existem faixas de consumo variáveis.

As categorias dividem-se em residencial, comercial, industrial e pública. Para cada uma delas existe uma tabela com os valores estabelecidos para o consumo de até 10 m3, de 11 a 20 m3, de 21 a 50 m3 e acima de 50 m3, exceto para as tarifas residencial social e residencial favelas que possuem 5 faixas de consumo, isto é, até 10 m3, de 11 a 20 m3, de 21 a 30 m3, 31 a 50 m3 e acima de 50 m3.

Uma outra preocupação da Sabesp é quanto à aplicação de Tarifas Sociais. Desde 1997, a Empresa beneficia mais de 600 mil pessoas carentes com a possibilidade de pagar de acordo com a renda, tamanho da moradia e consumo de energia elétrica. As entidades públicas que aderem ao Programa de Uso Racional da Água (PURA) e as entidades de assistência social também têm tarifas diferenciadas.

A arrecadação permite que a Sabesp invista em novos serviços e realize empreendimentos que favoreçam a qualidade de vida da população do Estado.

Em caso de vazamento, chame a Caça Vazamento